Se você removeu vídeos do seu Bluray e deseja fazer streaming dos mesmos via DLNA, este vídeo tutorial vai detalhar especificamente como realizar a conversão para corrigir pequenos problemas que você possa encontrar.

Vamos utilizar uma série de softwares para completar essa missão, tais como:

Vamos realizar as seguintes tarefas nos vídeos do Bluray:

  • Extrair a legenda SUP e converter para SRT
  • Remover streamings de áudio e legendas desnecessárias
  • Diminuir o bitrate do CODEC H.264/AVC para 12Mbps (máximo). Se o CODEC não for esse, o ffmpeg vai realizar a conversão automaticamente pra você
  • Converter o áudio para AAC (de qualquer formato). Seu áudio não vai perder qualidade nem canais, se for 5.1 ou estéreo, a saída será idêntica
  • Gravar a legenda SRT sobre o vídeo

Assista ao vídeo abaixo:

Link do vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=moQQQrxR1Gk

Espero ter ajudado.

Se você possui um Chromecast, provavelmente já deve estar se divertindo com vídeos do Youtube, Netflix e outros provedores na sua TV, porém também é possível assistir qualquer vídeo que estiver em seu computador, tablet ou smartphone através de DLNA, basta que o vídeo tenha os CODECs corretos para que o Chromecast consiga reproduzir seu conteúdo na TV.

Se você já tentou isso e falhou – vídeo sem áudio ou não conseguiu reproduzir o arquivo de jeito nenhum – hoje você verá uma maneira bem simples para converter seus vídeos para o Chromecast e todos os outros dispositivos da sua residência compatíveis com H.264 AVC AAC, como Smart TVs, Home Theaters e demais. Além disso, não vamos perder qualidade na conversão, ou seja, áudios 5.1 continuarão com alta qualidade e os 5.1 canais e vídeos em Full HD continuarão com a mesma resolução, se possível, até com o mesmo bitrate (que está ligado diretamente com a qualidade).

Vamos deixar um pouco o papo de lado e vamos à conversão dos nossos vídeos.

Download do FFMPEG

Como vamos utilizar o ffmpeg para realizar todas as conversões descritas neste tutorial, você vai precisar baixa-lo em seu computador. Para isso, utilize o link abaixo:

Escolha seu sistema operacional e faça o download.

No meu caso, estou utilizando o Windows, mas o ffmpeg funciona para Linux e Mac também. Eu não cheguei a fazer o download para outros sistemas operacionais, mas no Windows, você só precisará descompactar a pasta baixada para ter acesso aos arquivos disponibilizados no download.

Extraindo os arquivos do download do ffmpeg

Extraindo os arquivos do download do ffmpeg

Depois de extrair o conteúdo, você encontrar uma pasta cheia de arquivos, o ffmpeg está presente na pasta “bin”.

O ffmpeg.exe está dentro da pasta bin

O ffmpeg.exe está dentro da pasta bin

Sabendo disso, podemos prosseguir.

Acessando a pasta “bin” por linha de comando

O ffmpeg não tem interface gráfica, ou seja, é uma ferramenta de linha de comando. Para utilizar seus recursos é necessário acessar a pasta que contém o arquivo ffmpeg.exe por linha de comando, para isso clique com o botão direito do mouse sobre a pasta “bin” segurando a tecla “SHIFT” do seu teclado e acesse a opção “Abrir janela de comando aqui”.

Clique com o botão direito do mouse sobre a pasta "bin" segurando "SHIFT" e acesse "Abrir janela de comando aqui"

Clique com o botão direito do mouse sobre a pasta “bin” segurando “SHIFT” e acesse “Abrir janela de comando aqui”

Assim uma nova janela será aberta bem na pasta selecionada, onde você poderá utilizar a ferramenta “ffmpeg.exe”, que é o que você precisará para converter seus vídeos.

Verificando seu vídeo

Atualmente, todos os vídeos que você baixar, filma com o Smartphone ou com uma câmera, já vêm com o codec h.264, ou seja, não precisam de conversão, porém existem alguns fatores que vão fazer você querer realizar uma conversão para otimizar o arquivo para o Chromecast, por exemplo:

  • Bitrate muito alto irá dificultar o streaming de vídeo, isso irá causar travamentos em determinados momentos do vídeo;
  • Se o CODEC de áudio não for AAC, há uma grande chance de seu vídeo ficar sem som no Chromecast;
  • Garantir que o CODEC de vídeo realmente seja o H.264 AVC.

Para verificar tudo isso, você pode baixar o MediaTab e instalar em seu computador. Depois disso, basta clicar com o botão direito do mouse sobre o vídeo, acessar “Propriedades”, em seguida, a aba “MediaTab”.

MediaTab

MediaTab

Como você pode ver na imagem acima, o vídeo que estou verificando tem codec “AVC” (H.264). Como já sabemos, o Chromecast conseguirá reproduzir este vídeo por conta do CODEC AVC, porém, o bitrate – que é a quantidade de bits cada segundo do vídeo utiliza para ser reproduzido – está muito elevado, ou seja,  sua rede Wi-Fi deveria suportar 44.6Mbps por segundo para reproduzir este vídeo sem travar, isso é o mesmo que um Blu-Ray utilizaria.

Como sabemos que nem todas as redes conseguem passar essa quantidade de dados, teremos que converter o vídeo acima para diminuir este bitrate. Em meus testes, consegui reproduzir vídeos de excelente qualidade, sem travamentos, com bitrate entre 12Mbps até 16Mbps.

Descendo a barra de rolagem temos o seguinte:

CODEC de áudio

CODEC de áudio

O formato PCM pode até ser reproduzido por milhares de dispositivos, mas não nos meus, por isso vamos converter o áudio para AAC.

Guarde bem o MediaTab, pois você pode precisar muito dele se quiser saber o que está acontecendo com seus vídeos, como descobrir quais os CODECs e legendas estão embutidos no seu arquivo.

Convertendo com o FFMPEG para o Chromecast

Para converter todos os CODECs do seu vídeo original para H.264 AVC AAC, já diminuindo o bitrate do vídeo (se precisar) e embutindo uma legenda, o comando completo ficaria assim:

ffmpeg.exe -i ENTRADA -sub_charenc ISO-8859-1 -i LEGENDA -c:v libx264 -profile:v high -level 4.1 -crf 18 -maxrate 12M -bufsize 16M -pix_fmt yuv420p -preset:v veryfast -strict experimental -c:a aac -b:a 1536k -movflags faststart -c:s srt -map v:0 -map a -map 1:0 SAIDA

Você só precisa substituir ENTRADA para o caminho do arquivo original, LEGENDA para o caminho do arquivo de legenda SRT e SAIDA para o caminho do arquivo de saída.

Veja um exemplo real:

ffmpeg.exe -i "H:\TEMP\TESTE\Meu filme.MOV" -sub_charenc ISO-8859-1 -i "H:\TEMP\TESTE\Meu filme.srt" -c:v libx264 -profile:v high -level 4.1 -crf 18 -maxrate 12M -bufsize 16M -pix_fmt yuv420p -preset:v veryfast -strict experimental -c:a aac -b:a 1536k -movflags faststart -c:s srt -map v:0 -map a -map 1:0 "H:\TEMP\TESTE\Meu filme.mkv"

Nesse caso, além de uma conversão, ainda estrou trocando o container de “MOV” para “MKV”.

Perceba a diferença dos CODECs de vídeo e áudio (além do tamanho final do arquivo) nas imagens abaixo:

O bitrate diminuiu bastante, o tamanho do arquivo final também (de 177MB para 16MB)

O bitrate diminuiu bastante, o tamanho do arquivo final também (de 177MB para 16MB)

O áudio foi convertido para AAC

O áudio foi convertido para AAC e uma legenda foi embutida.

Bem legal, não é?

Copiando a qualidade original do vídeo e convertendo apenas áudio para AAC

O trecho de código acima é bem legal, porém, pode demorar um tempo bom até que você converta o seu vídeo inteiro. Caso o seu vídeo tenha o bitrate razoavelmente baixo (até 16Mbps ou 16384Kbps) você pode deixar o CODEC original (se for AVC, caso contrário precisará de conversão) e fazer apenas a conversão do áudio. Para isso basta digitar o seguinte:

ffmpeg.exe -i "ENTRADA" -sub_charenc ISO-8859-1 -i "LEGENDA.srt" -c:v copy -strict experimental -c:a aac -b:a 1536k -movflags faststart -c:s srt -map v:0 -map a -map 1:0 "SAIDA"

Nesse caso a conversão é bem mais rápida (mas muito mesmo) e você não perderá qualidade original do vídeo.

Convertendo apenas o vídeo e deixando o áudio original

Também é possível converter apenas o vídeo, sem tocar no codec de áudio, para isso digite:

ffmpeg.exe -i ENTRADA -sub_charenc ISO-8859-1 -i LEGENDA -c:v libx264 -profile:v high -level 4.1 -crf 18 -maxrate 12M -bufsize 16M -pix_fmt yuv420p -preset:v veryfast -strict experimental -c:a copy -movflags faststart -c:s srt -map v:0 -map a -map 1:0 SAIDA

Agora convertemos apenas o vídeo.

Sem legenda SRT?

Claro que se você não quiser incluir uma legenda SRT, basta remover essas partes do comando. Por exemplo, para converter CODECs de áudio e vídeo sem embutir uma legenda SRT, digite:

ffmpeg.exe -i "ENTRADA" -c:v libx264 -profile:v high -level 4.1 -crf 18 -maxrate 12M -bufsize 16M -pix_fmt yuv420p -preset:v veryfast -strict experimental -c:a aac -b:a 1536k -movflags faststart -map v:0 -map a "SAIDA"

Para converter apenas o áudio, digite:

ffmpeg.exe -i "ENTRADA" -c:v copy -strict experimental -c:a aac -b:a 1536k -movflags faststart -map v:0 -map a "SAIDA"

Para converter apenas o vídeo, digite:

ffmpeg.exe -i "ENTRADA" -c:v libx264 -profile:v high -level 4.1 -crf 18 -maxrate 12M -bufsize 16M -pix_fmt yuv420p -preset:v veryfast -strict experimental -c:a copy -movflags faststart -map v:0 -map a "SAIDA"

Pronto, agora seus vídeos poderão ser reproduzidos por DLNA para seu Chromecast sem travamentos, com som e vídeo excelentes. Se você não sabe como fazer isso, siga os nosso tutoriais abaixo:

O primeiro explica como criar um servidor DLNA, o segundo detalha como enviar vídeos para seu Chromecast (ou Smart TV) utilizando seu smartphone ou tablet.

Vídeo tutorial

O vídeo tutorial abaixo é um complemento do artigo acima:

Espero ter ajudado!

Para quem deseja montar um servidor DLNA no Ubuntu, a melhor opção que encontrei até o momento foi um aplicativo bem simples chamado MiniDLNA.

Este é um aplicativo de linha de comando, ou seja, você simplesmente instala e configura tudo utilizando o terminal do Ubuntu.

Nesse tutorial você vai aprender como configurar o MiniDLNA de maneira simples, rápida e funcional, de modo que fique fácil adicionar todos os seus arquivos de áudio, vídeo e imagem, mesmo que eles venham de um HD externo.

No momento da criação desse tutorial, estou utilizando o Ubuntu 15.04 e vamos baixar o MiniDLNA 1.1.4.

Versão do Ubuntu 15.04 - MiniDLNA 1.1.4

Versão do Ubuntu 15.04 – MiniDLNA 1.1.4

Então vamos trabalhar!

MiniDLNA: Servidor DLNA no Ubuntu

Para instalar o MiniDLNA no seu Ubuntu, faça o seguinte:

1 – Pressione CTRL + ALT + T simultaneamente para abrir o terminal do seu Ubuntu; Nele, digite:

sudo apt-get install minidlna

Após pressionar “ENTER”, digite sua senha e, caso necessário, digite “S” para confirmar a instalação.

sudo apt-get install minidlna

sudo apt-get install minidlna

2 – Temos que editar o arquivo de configuração do MiniDLNA, portanto digite:

sudo nano /etc/minidlna.conf

O arquivo de configuração do MiniDLNA deverá ser aberto no seu terminal, para correr pelas linhas, utilize as setas do teclado.

Vamos remover os comentários e editar algumas linhas, veja o que devemos alterar:

#user=minidlna     = user=root
#db_dir=...        = db_dir=...
#log_dir=...       = log_dir=...
#friendly_name=... = friendly_name=NOME_DO_SERVIDOR
media_dir=...      = media_dir=/CAMINHO/DOS/ARQUIVOS

Ao terminar, pressione “CTRL+O” para salvar o arquivo.

Veja como ficou meu arquivo de configuração completo:

# This is the configuration file for the MiniDLNA daemon, a DLNA/UPnP-AV media
# server.
#
# Unless otherwise noted, the commented out options show their default value.
#
# On Debian, you can also refer to the minidlna.conf(5) man page for
# documentation about this file.

# Specify the user name or uid to run as.
user=root

# Path to the directory you want scanned for media files.
#
# This option can be specified more than once if you want multiple directories
# scanned.
#
# If you want to restrict a media_dir to a specific content type, you can
# prepend the directory name with a letter representing the type (A, P or V),
# followed by a comma, as so:
#   * "A" for audio    (eg. media_dir=A,/var/lib/minidlna/music)
#   * "P" for pictures (eg. media_dir=P,/var/lib/minidlna/pictures)
#   * "V" for video    (eg. media_dir=V,/var/lib/minidlna/videos)
media_dir=/media/luizotavio/FILMES_EXTERNO

# Path to the directory that should hold the database and album art cache.
db_dir=/var/cache/minidlna

# Path to the directory that should hold the log file.
log_dir=/var/log

# Type and minimum level of importance of messages to be logged.
#
# The types are "artwork", "database", "general", "http", "inotify",
# "metadata", "scanner", "ssdp" and "tivo".
#
# The levels are "off", "fatal", "error", "warn", "info" or "debug".
# "off" turns of logging entirely, "fatal" is the highest level of importance
# and "debug" the lowest.
#
# The types are comma-separated, followed by an equal sign ("="), followed by a
# level that applies to the preceding types. This can be repeated, separating
# each of these constructs with a comma.
#
# The default is to log all types of messages at the "warn" level.
#log_level=general,artwork,database,inotify,scanner,metadata,http,ssdp,tivo=warn

# Use a different container as the root of the directory tree presented to
# clients. The possible values are:
#   * "." - standard container
#   * "B" - "Browse Directory"
#   * "M" - "Music"
#   * "P" - "Pictures"
#   * "V" - "Video"
# If you specify "B" and the client device is audio-only then "Music/Folders"
# will be used as root.
#root_container=.

# Network interface(s) to bind to (e.g. eth0), comma delimited.
# This option can be specified more than once.
#network_interface=

# IPv4 address to listen on (e.g. 192.0.2.1/24).
# If omitted, the mask defaults to 24. The IPs are added to those determined
# from the network_interface option above.
# This option can be specified more than once.
#listening_ip=

# Port number for HTTP traffic (descriptions, SOAP, media transfer).
# This option is mandatory (or it must be specified on the command-line using
# "-p").
port=8200

# URL presented to clients (e.g. http://example.com:80).
#presentation_url=/

# Name that the DLNA server presents to clients.
# Defaults to "hostname: username".
friendly_name=MeuServidorDLNA

# Serial number the server reports to clients.
# Defaults to 00000000.
serial=681019810597110

# Model name the server reports to clients.
#model_name=Windows Media Connect compatible (MiniDLNA)

# Model number the server reports to clients.
# Defaults to the version number of minidlna.
#model_number=

# Automatic discovery of new files in the media_dir directory.
#inotify=yes

# List of file names to look for when searching for album art.
# Names should be delimited with a forward slash ("/").
# This option can be specified more than once.
album_art_names=Cover.jpg/cover.jpg/AlbumArtSmall.jpg/albumartsmall.jpg
album_art_names=AlbumArt.jpg/albumart.jpg/Album.jpg/album.jpg
album_art_names=Folder.jpg/folder.jpg/Thumb.jpg/thumb.jpg

# Strictly adhere to DLNA standards.
# This allows server-side downscaling of very large JPEG images, which may
# decrease JPEG serving performance on (at least) Sony DLNA products.
#strict_dlna=no

# Support for streaming .jpg and .mp3 files to a TiVo supporting HMO.
#enable_tivo=no

# Notify interval, in seconds.
#notify_interval=895

# Path to the MiniSSDPd socket, for MiniSSDPd support.
#minissdpdsocket=/run/minissdpd.sock

3 – Agora é necessário alterar outro arquivo, para isso digite o seguinte:

sudo nano /etc/default/minidlna

Mesmo caso do arquivo anterior, só que nesse caso vamos alterar apenas o seguinte:

#USER="minidlna" = USER="root"

Após a edição, pressione “CTRL+O” para salvar o arquivo.

Usuário root

Usuário root

4 – Por fim, precisamos reiniciar o MiniDLNA e carregar a biblioteca novamente, para isso digite:

sudo service minidlna restart
sudo service minidlna force-reload

E pronto, agora você poderá utilizar qualquer cliente DLNA para navegar entre seus vídeos, como uma Smart TV, Bluray, Smartphones, e assim por diante.

Obs.: Foi testado com o Bubbleupnp, Chromecast, Smart TV Sony (KDL-42W805B), Panasonic HDTV Viera e Blu-ray Sony (BDV-E2100), todos funcionam perfeitamente.

Vídeo tutorial

O vídeo tutorial abaixo é um complemento ao artigo acima.

Link do vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=vnREG-YWiKE

Espero ter ajudado.

BubbleUPnP UPnP/DLNA é um aplicativo que vai controlar todos os aparelhos eletrônicos de sua residência que suportam a tecnologia DLNA.

Ele é muito versátil, ou seja, pode conectar-se a um servidor DLNA existente, se tornar um servidor DLNA e ainda tocar áudio, vídeo e/ou imagens de um servidor DLNA em um aparelho eletrônico compatível com esta tecnologia.

Basicamente, você seleciona o “Renderer”, que é o aparelho que irá tocar seu arquivo de média (vídeo, áudio ou imagem) e também seleciona uma “Library”, que é o local onde estão os arquivos que serão tocados, estando eles no seu Smartphone ou em um servidor DLNA qualquer.

Para o “Renderer”, os aparelhos eletrônicos de sua residência deveram suportar a tecnologia, assim eles serão apresentados na lista de “Renderers” do BubbleUPnP.

Aparelhos que suportam DLNA

Aparelhos que suportam DLNA

Para a “Library”, você seleciona um servidor DLNA qualquer, ou o “Local Media Server”, que seriam os arquivos locais do seu Android.

Library

Library

Ao selecionar dispositivos externos, o seu Smartphone passará a trabalhar como um controle remoto para o servidor DLNA e o dispositivo que estiver renderizando o arquivo de média, assim você terá controles como volume, pause, stop, passar para frente ou para trás, e assim por diante.

Com o BubbleUPnP Server, vários outros recursos são ativados, como conversão de vídeos em tempo real para o Chromecast ou para acesso externo ao seu servidor DLNA. Quando digo externo, me refiro a acessar seu servidor DLNA de qualquer lugar do mundo, simplesmente configurando o seu roteador para redirecionar as portas 58050 (para HTTP) e 58051 para HTTPS para o IP do computador que é o servidor DLNA. Além disso, o BubbleUPnP Server também se integra ao seu servidor DLNA existente, como o Serviio (por exemplo), tornando sua experiência ainda mais agradável.

O BubbleUPnP junto com seu servidor, também são capazes de converter arquivos em tempo real, assim é possível tocar qualquer vídeo e áudio no seu Chromecast sem a necessidade de realizar nenhum conversão ou coisas do tipo. Você também pode fazer configurações de Bitrate, para ajustar a velocidade da sua rede e a qualidade do vídeo.

Além de tudo isso (e mais um pouco), o BubbleUPnP também suporta legendas SRT (Subrip), basta que elas estejam na mesma pasta do arquivo de vídeo e com o mesmo nome. Você pode até configurar a aparência da legenda se desejar.

Veja abaixo um vídeo de exemplo de utilização do BubbleUPnP:

Baixe e confira!

Criar um servidor DLNA com o Serviio no Windows, Linux e Mac é tão simples quanto utilizar a tecnologia e depois que você começar a utilizar este recurso, vai perceber o quanto é fácil compartilhar seus vídeos, filmes, músicas e fotos para todos os aparelhos eletrônicos de sua residência (que suportem DLNA é claro).

O Windows Media Player tem o recurso para criar um servidor DLNA no seu Windows, porém, ele falta suporte para alguns formatos, como o MKV, por exemplo. Por este motivo, vamos utilizar o Serviio para gerar um servidor DLNA de qualidade em nosso sistema operacional.

Antes de continuar seguindo este tutorial, baixe o Serviio para seu sistema operacional no link abaixo:

Após o download, faça a instalação do mesmo em seu computador. É bastante simples, basta ir avançando até chegar ao final do assistente.

Terminada a instalação, você poderá configurar o Serviio abrindo o console em “Iniciar”, “Programas”, “Serviio”, “Serviio Console”.

Serviio Console

Serviio Console

Perto do relógio (na bandeja do sistema), dê dois cliques sobre o ícone do “Serviio”.

Ícone do Serviio Console

Ícone do Serviio Console

Ao abrir o console, você verá a seguinte tela:

Serviio

Serviio

Nela, clique em “Library” para adicionar seus arquivos de imagem, áudio e/ou vídeo. Para adicionar qualquer pasta, clique no botão “Add local” e selecione o tipo de arquivo que aquela pasta contém.

Adicionando pastas ao Serviio

Adicionando pastas ao Serviio

Depois que você adicionar suas pastas de imagem, vídeo e/ou áudio, terá que aguardar até que o Serviio procure e adicione todos os arquivos em sua biblioteca, dependendo da quantidade de arquivos, isso pode levar muito tempo.

Infelizmente, você não será avisado quando o Serviio terminar de adicionar todos os arquivos, mas será possível visualizar os últimos arquivos adicionados em “Library refresh”:

Library refresh

Library refresh

Depois que o Serviio adicionar alguns vídeos, você poderá utilizar qualquer aparelho eletrônico ou software que suporte DLNA para acessar os arquivos via rede.

Por exemplo, uma Smart TV, ou um Bluray player.

Sony Bravia KDL-42W805B

Sony Bravia KDL-42W805B

Uma observação importante é que vídeos em FullHD (1080p) utilizam uma quantidade de banda muito elevada, se for um arquivo original de bluray, o arquivo deverá puxar mais ou menos 45Mbps de banda do seu roteador Wi-fi, portanto, ele deverá conseguir passar essa quantidade de banda.

Minha dica é que você conecte o servidor via cabo no roteador, assim ele conseguirá passar maior quantidade de banda do que se estivesse utilizando a rede wi-fi. Se possível, conecte todos os aparelhos via cabo, com conectores RJ-45.

Vídeo tutorial

O vídeo tutorial abaixo é um complemento do texto que você leu acima. Nele passo algumas dicas a mais para você que tem interesse em adicionar um servidor DLNA em sua residência.

Espero que tenha gostado.

Um aparelho muito legal que já está no mercado há algum tempo é o Chromecast, um aparelho pequeno que é conectado em qualquer porta HDMI da sua TV e transforma a mesma em uma Smart TV, com DLNA, Youtube, Netflix e muito mais. Neste tutorial, vamos focar especificamente em como utilizar o Chromecast como cliente DLNA, passando pela parte de servidor DLNA NAS, o player que irá controlar o Chromecast e, finalmente, a parte de conversão de vídeos, para que eles funcionem perfeitamente no Chromecast. Então, ajeite um café e fique bem confortável, pois teremos bastante para conversar.

 Algumas coisas que você deveria saber

Certo, você ficou encantado com o Chromecast e decidiu comprar o danado, certo? Se você for como eu, provavelmente já deve ter testado praticamente todas as partes do aparelhinho, caso contrário, vou lhe guiar pelos caminhos obscuros que você vai encontrar quando for tentar ver seu primeiro filme por DLNA.

Formatos de imagens, vídeo e áudio

Primeiramente, o Chromecast só funciona com os seguintes formatos:

Para imagens:

Os formatos para imagens são:

  • BMP
  • GIF
  • JPEG
  • PNG
  • WEBP

Segundo o site oficial do aparelho, o tamanho máximo é de 720p (1280×720), no demais o aparelho deverá diminuir o tamanho da imagem. Isso não foi um problema pra mim, minha fotos aparecem perfeitamente na TV, mesmo quando utilizo o tamanho real de 16MP.

Para vídeo e áudio

Os formatos de vídeo e áudio (containers) suportados são:

  • AAC
  • MP3
  • MP4
  • WAV
  • WebM

Vale lembrar que arquivos MKV funcionam perfeitamente também, contando que você utilize os CODECS de áudio e vídeo corretos. Não se preocupe com isso agora, vou detalhar tudo isso no decorrer do artigo, também vou explicar como converter seus vídeos de maneira bem simples.

Os CODECS de vídeo suportados são:
  • H.264 – High Profile Level 4.1 (720p/60fps – 1280×720 pixels – ou 1080p/30fps – 1920×1080 pixels)
  • VP8
Os CODECS de áudio suportados são:
  • HE-AAC
  • AAC LC
  • MP3
  • Vorbis
  • WAV (LPCM)

Também são suportados CODECS passthru AC-3 e E-AC-3, porém, não conseguir fazer sair áudio na minha TV com esses formatos, não seu dizer se o problema é na TV ou no Chromecast.

 Roteador wireless dentro de casa

O Chromecast conecta-se a uma rede Wireless (WI-FI) de 2Ghz com tecnologia 802.11b/g/n (a maioria dos roteadores tem essas tecnologias integradas). Você não precisa se preocupar muito com a nomenclatura, mas tenha em mente que você precisa de uma rede Wi-Fi dentro de casa.

Como vamos rodar vídeos que talvez sejam pesados (Full HD, por exemplo) é extremamente necessário que seu roteador Wi-Fi consiga transmitir grandes quantidades de dados para o Chromecast. Em meus testes, percebi que o Chromecast vai conseguir rodar vídeos com bitrate de até 17Mbps, acima disso ele começa a travar o vídeo em alguns momentos. Há algumas pessoas em fóruns dizendo que conseguiram 30Mbps, mas não foi meu caso.

Não se preocupe, 17Mbps gera vídeos com imagem que pode ser comparada a de um Blu-ray (ou quase).

Para resumir, é importante que seu roteador tenha rede wireless de 2Ghz com tecnologia 802.11n (“N” é a que vai passar mais banda). Também lembre-se de não deixar o roteador longe do Chromecast ou com qualquer barreira que possa impedir o sinal (como paredes, janelas e coisas do tipo), isso irá atrapalhar que a rede funcione com a total força possível.

Obs.: O meu roteador Wi-Fi é o Archer C7v2 da TP-Link, bem robusto.

A rede interna da sua residência

Todos os dispositivos mencionados neste tutorial deverão estar conectados na mesma rede, ou seja, no mesmo roteador com a mesma rede. Normalmente é isso o que acontece em todas as residências, porém, vale lembrar este detalhe.

Se for possível, tente conectar o servidor DLNA NAS (seu PC) via cabo de rede, pois ele conseguirá passar maior quantidade de dados para o Chromecast e não utilizará o Wi-Fi. Isso garante que o roteador Wi-Fi não tenha o trabalho de fazer upload (do PC) e download (para o Chromecast) ao mesmo tempo. Caso você não tenha a possibilidade de conectar o PC via cabo, faça testes se tudo vai funcionar perfeitamente. Se o vídeo ficar travando em algumas cenas, talvez seja necessário diminuir o bitrate até que funcione.

Ligando o Chromecast à TV

Não vou detalhar como ligar e conectar o Chromecast na sua rede, pois o processo é bastante simples e o próprio Google já indicou como fazer isso, acesso o link abaixo para aprender:

 O servidor DLNA (Serviio)

Você pode utilizar qualquer servidor DLNA que preferir, porém, o melhor que encontrei até o momento foi o Serviio. Você pode fazer o download gratuito do mesmo no link abaixo:

A instalação é bastante simples, porém, requer JAVA no seu computador.

Assim que a instalação terminar, você verá um ícone na bandeja do seu sistema.

Serviio na bandeja do sistema

Serviio na bandeja do sistema

Abra o servidor e adicione suas pastas que contém os vídeos, você pode adicionar uma pasta apenas, e o servidor irá detectar o que está dentro delas assim que você indicar o tipo de conteúdo (áudio, vídeo, fotos).

Adicionando pastas ao Serviio

Adicionando pastas ao Serviio

Após adicionar as pastas, clique em “Save”.

Dependendo da quantidade e do tamanho dos seus vídeos, o Serviio pode levar horas para adicionar todos eles à lista, você deverá aguardar.

Após a finalização, reinicie o seu computador, verifique se o servidor continua rodando normalmente e pronto, você já tem seu servidor DLNA na sua rede doméstica.

O player que vai controlar o Chromecast

O Chromecast não tem um menu para que você acesse e configure qualquer coisa, ele dependerá de outros dispositivos para lhe dizer o que fazer, isso significa que você precisará de um Smartphone ou Tablet com Android para instalar um player que irá indicar ao Chromecast de onde ele irá pegar o vídeo.

O Melhor player que encontrei até o momento foi o BubbleUPnP UPnP/DLNA, ele será o “controle remoto” do seu Chromecast. Portanto, instale o app em seu aparelho com Android e siga as instruções.

1 – Ligue a TV com o Chromecast devidamente conectado;

2 – Abra o Bubble (resumindo o nome do app) e clique no menu; O Bubble tem duas opções muito importante que você pode escolher, o “Renderer” (que neste caso será o Chromecast) e a Library (que neste caso será o Serviio que está no seu PC); Então clique no menu e selecione essas opções.

BubbleUPnP UPnP/DLNA - Selecionando o Renderer e a Library

BubbleUPnP UPnP/DLNA – Selecionando o Renderer e a Library

3 – Em seguida, clique nas pastas abaixo (Audio, Image, Video) e você verá o conteúdo do seu servidor “Serviio”, que estou assumindo que você já tenha configurado de acordo com o que descrevi anteriormente.

4 – Não escolha um vídeo fora daquele padrão de CODECS que descrevi no começo do artigo, pois ele não vai rodar. Minha dica é que você escolha um áudio MP3 para testar primeiramente. Vou entrar em mais detalhes sobre vídeos (filmes) mais adiante neste artigo. Assim que você colocar o áudio para tocar, deverá ter a possibilidade de controlar tudo o que está na TV pelo Smartphone com o Bubble instalado. Brinque um pouco com ele para ter mais afinidade.

BubbleUPnP UPnP/DLNA tocando no Chromecast

BubbleUPnP UPnP/DLNA tocando no Chromecast

Converter os vídeos ou não?

Particularmente não gosto de converter meus vídeos, pois toma muito tempo para atingir a mesma qualidade do original, principalmente filmes com alta definição, felizmente o BubbleUPnP UPnP/DLNA tem um servidor que pode ser instalado no seu computador que irá fazer isso em tempo real para você, o BubbleUPnP Server.

Simplesmente baixo-o e instale em seu computador e uma nova opção será habilitada nas configurações do BubbleUPnP UPnP/DLNA.

Depois de instalado, reinicie o computador, verifique se o Serviio está rodando e abra o BubbleUPnP UPnP/DLNA no seu Smartphone e acesse “Settings”;

Configurações

Configurações

Agora acesse “Chromecast”;

Chromecast

Chromecast

E marque a caixa “Enable – Transcode unsupported Chromecast media to a compatible format”;

Enable - Transcode unsupported Chromecast media to a compatible format

Enable – Transcode unsupported Chromecast media to a compatible format

E agora o Bubbleupnp Server vai fazer o trabalho de conversão de arquivos não suportados para você. Lembre-se, isso utilizará recursos do PC que tem o servidor, portanto, você pode alterar algumas opções para melhorar a velocidade da rede (bitrate), a utilização de CPU do PC e coisas do tipo.

Para filmes legendados, você deverá adicionar uma legenda SubRip (SRT) com o mesmo nome do arquivo do filme dentro da pasta que contém o filme, o Bubble detectará a legenda automaticamente.

 Quero converter meus vídeos

Certo, então você vai precisar de um programa chamado “Handbrake”, que pode ser baixado no link abaixo:

Após a instalação, siga os passos abaixo:

1 – Abra o Handbrake e arraste seu vídeo para “Source”;

Handbrake Source

Handbrake Source

Se você já entende de conversão de vídeos, faça como preferir, caso contrário, coloque as configurações conforme as imagens abaixo:

Handbrake - Configurações iniciais

Handbrake – Configurações iniciais

Handbrake - Configurações de vídeo

Handbrake – Configurações de vídeo

Handbrake - Configurações de áudio

Handbrake – Configurações de áudio

Handbrake - Iniciar conversão

Handbrake – Iniciar conversão

Aguarde terminar e pronto, jogue o arquivo dentro da pasta que está seus vídeos e assista sem nenhum problema no Chromecast.

É claro que você precisará conferir as opções do vídeo original para ajustar algumas coisas, por exemplo, o áudio, a largura e altura e coisas do tipo.

Concluindo

Eu passei as partes mais importantes sobre o Chromecast via DLNA que pude, porém, caso ainda tenha dúvidas, não deixe de comentar aí abaixo, será um prazer ajudar.